quarta-feira, 11 de maio de 2016

Aprenda a ser sozinho.

Sentei mais uma vez sozinha na minha cafeteria favorita em Curitiba. Escolhi uma mesinha de canto, como sempre faço; isso me permite observar a vida acontecendo ao redor enquanto aprecio a comida deliciosa, o café quentinho e o ambiente aconchegante. É incrível como as pessoas ainda estranham quando uma mulher chega sozinha para almoçar, jantar ou tomar um café, quase como se fosse  um crime abraçar o que se gosta sem ter alguém ao lado. Alguns grupos não estão nem aí, mas outros não conseguem segurar a curiosidade. O que a moça está fazendo ali sozinha? Ela está esperando alguém? Levou um bolo? Quando chega a hora da sobremesa, eles já se conformaram que, de duas uma: ou eu levei mesmo um bolo ou sou uma solitária sem amigos. E, céus, ela vai comer essa fatia enorme de cheesecake mesmo? Sim, vou. E vou comprar um café para viagem quando for pagar a conta também.
Talvez não passe pela cabeça dessas pessoas, que por horas olham de soslaio, que eu gosto de estar ali sozinha. Que um bom almoço em um lugar agradável é um presente que me dou de vez em quando. Que eu valorizo o silêncio e aprecio saborear novas experiências sem ter que tagarelar. Que o café tem um gosto diferente quando posso fechar os olhos ao tomar o primeiro gole e sentir o primeiro aroma. Existe um preconceito cultural que não assimila bem a independência feminina, até mesmo quando se trata de algo ínfimo como uma bebida. E aqui vem a “bomba”: estar sozinha não é sinônimo de ser solitária e solidão nem sempre é uma maldição.
Deixa eu te contar uma coisa, seja você homem ou mulher: você pode sorrir. Pode escolher não atender seu telefone por um dia (ou mais) e não responder as mensagens daquele crush. Pode passar quantas horas lhe aprouver degustando cafés, chás, sucos de frutas frescas ou lendo livros debaixo de árvores com os primeiros indícios de outono. Pode dançar, cantar, caminhar pela praia no inverno e escolher onde, quando e o que vai se permitir. E, principalmente, pode fazer tudo isso sozinho. Você vai, indubitavelmente, aprender muito com cada pequena experiência que possa chamar de sua. Vai tomar alguns cafés aguados e outros supremos. Vai descobrir lugares incríveis e outros que fazem um minuto parecer um suplício. E, mesmo assim, vale a pena se entranhar nessas descobertas desacompanhado. Eu amo andar por ruas desconhecidas levando apenas minha própria companhia, descobrindo novos lugares e sabores, me perdendo em meus pensamentos. E, se a vida me ensinou algo, é que não há nada de horripilante nisso. Não significa que ninguém gosta de você ou que o mundo te abandonou; significa apenas que você sabe aproveitar bons momentos sem a necessidade de ter alguém te agarrando constantemente pelo braço.
Ah, mais uma coisa. Entenda que isso tudo se aplica também aos amores. Assim como nos deparamos com boas e péssimas cafeterias nessas andanças, conhecemos boas e péssimas pessoas. Temos bons e péssimos relacionamentos. E, mais uma vez, para que isso se incruste em sua mente, assim como sentar em uma mesa sozinho e tomar um bom café, não há nada de errado em estar sozinho na vida. Você não precisa de alguém que te tome a vida inteira. Muito pelo contrário. Antes de pensar em amar outra pessoa, você precisa aprender a amar as lacunas da sua vida que serão preenchidas somente por você, não por ela. É errado entregar sua felicidade em outras mãos; ninguém tem a obrigação de carregar esse fardo.
Sério, faça um favor a você mesmo: liberte-se desse preconceito. Aprenda a ser sozinho antes de ser de mais alguém. Aceite pertencer a si mesmo e entenda que, na maior parte do tempo, você pode ser sua melhor companhia. Não adianta se jogar nos braços de qualquer um só para afirmar para o mundo e para seu cérebro monofóbico que você não é sozinho. Na verdade, esse tipo de complacência me dá um pouco de medo. Essa atitude de amar por amar – que nem é amar de verdade – e, com isso, aceitar qualquer opção e destino, é um dos motivos que me levam a desconfiar da sanidade do ser humano. Você pode namorar, casar, juntar as trouxas, viver momentos lindos e em outros só suportar. Se não for a pessoa certa, você estará desperdiçando o tempo de ambos simplesmente por não saber lidar com um pouco de solidão.
É claro que eu sei que a solidão pode ser horrível às vezes. Há dias em que meu coração parece prestes a arrebentar e há noites em que o frio se instala e não me deixa pregar os olhos por um segundo sequer. A saudade é devassadora mesmo, sempre com golpes certeiros, assim como a solidão em demasia. Mas viver não é fazer sempre parte de um dueto. Sua própria voz também pode ter charme se você permitir. Seu timbre também basta se você souber ouvi-lo. Os sons da sua vida podem ser bonitos por conta própria e nem sempre acordes alheios são necessários para uma boa canção. As melhores melodias surgem da verdade e é melhor uma verdade solitária do que um amor de mentirinha.
Você pode se empertigar no abraço de alguém e fazer de conta que encaixa e que te completa só para não precisar enfrentar a escuridão da noite sozinho ou uma manhã sem alguém para te desejar bom dia. Claro que pode. E é simples e fácil. Mas, a longo prazo, não compensa. Por outro lado, você pode se dar ao luxo de jantar sozinho em um bom restaurante. Ou de sentar em uma mesinha discreta de uma cafeteria e apreciar a companhia do café quentinho e dos seus próprios pensamentos. Pode parecer difícil no começo, mas é maravilhoso. Por mais que te olhem obliquamente, garanto que está tudo bem. Vai lá. Pede o que te agradar no menu e seja feliz. Ser feliz por conta própria, sem depender de ninguém. Tem poesia mais linda que essa?
Tudo isso para dizer algo que é muito simples, no final das contas. Aprenda a ser sozinho primeiro. Entenda que não é o fim do mundo se não tiver alguém para te mandar uma mensagem fora de hora. Aprenda a sorrir com as pequenas coisas que você se permite e entenda que, algumas delas, ninguém além de você pode se proporcionar. Aprenda a singeleza da solidão benéfica e então, quando encontrar a pessoa certa, você terá certeza. Diferente de quem pula de galho em galho para não arriscar a dureza do chão frio, você reconhecerá os olhos e o sorriso da pessoa certa. Se é que ela existe. Porque, cá pra nós, é perfeitamente natural que você seja feliz sozinho pelo resto da sua vida. Seja sua própria pessoa e, se outra pessoa aparecer, some-a à sua vida sem descartar o que já aprendeu ou anular sua sábia existência solitária. Somente quando tiver essa maturidade emocional você vai conseguir se jogar nos braços de alguém sem criar expectativas absurdas. Aprenda o silêncio. Aprenda o barulho. Aprenda a cantar e caminhar sozinho. A ter sua trilha sonora particular. A ir ao cinema sem companhia alguma. A tomar um café em um lugar que você gosta sem se preocupar se estão pensando que você levou um bolo. A ficar na cama sem precisar entrelaçar suas pernas com outras. A amar sem depender. A sentir suas dores individualmente. A chorar e a sorrir. A encontrar sua paz interior. Apenas aprenda a ser sozinho antes de ser de mais alguém. Sério. Aprenda a ser sozinho.

1 comentários:

Unknown disse...

👏👏👏👏👏

 
Creative Commons License
Vogais Vazias by Josiana Rezzardi is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.
Header Image by Colorpiano Illustration